Almodóvar diz que ‘Dolor y gloria’ encerra trilogia sobre desejo e ficção

Almodóvar e Penélope Cruz nos bastidores de ‘Dolor y Gloria’ – Foto: Divulgação

 

Filme com Penélope Cruz ainda sem data de estreia no Brasil tem mesma temática de ‘A Lei do Desejo’ (1987) e ‘Má Educação’ (2004).

 

 

 

“Dolor y gloria”, o novo filme de Pedro Almodóvar, é o fechamento de uma trilogia sobre desejo e ficção da qual também fazem parte “A Lei do Desejo” (1987) e “Má Educação” (2004).

 

“Sem pretensões, ‘Dolor y gloria’ é a terceira parte de uma trilogia de criação espontânea que demorou 32 anos para ficar completa”, afirmou o diretor.

Os três longas são protagonizados por personagens masculinos e que são diretores. De acordo com o cineasta, nos três o desejo e a ficção cinematográfica são pilares da narração, mas a forma como se misturam com a realidade difere em cada um.

 

Talvez “Dolor y gloria”, protagonizado por Antonio Banderas, seja o mais autobiográfico. O filme conta a encruzilhada vivida por um diretor aflito por múltiplas questões que o impedem de continuar trabalhando, algo parecido ao que o próprio Almodóvar viveu há alguns anos, antes de rodar “Julieta”.

 

Ele admite que tomou a sua vida como referência. Mas não só isso, a casa do protagonista, a mobília, os livros e os quadros são realmente do diretor. Até a roupa usada por Banderas imita peças do vestiário de Almodóvar.

 

A trama visita três épocas diferentes: a infância na cidade para onde os pais emigraram nos anos 60; o primeiro amor em Madri nos anos 80; e o presente, com o protagonista depressivo e afastado do cinema e do mundo.

 

“Eu me identifico com todas essas épocas. Conheço os lugares e os sentimentos do personagem. No início, me peguei como referência, mas quando comecei a escrever estabeleci regras e a ficção ficou independente da origem, como sempre aconteceu quando tratei de outros temas com referências reais”, conta Almodóvar.

 

O elenco conta também com Asier Etxeandia e Leonardo Sbaraglia em papéis de destaque. Já Penélope Cruz e Julieta Serrano dão vida à mãe do diretor. Nora Navas atua como assistente e o filme tem ainda as participações da catalã Rosalía, que canta “A tu vera” com Penélope; Raúl Arévalo e Cecilia Roth.

“Dolor y gloria” tem estreia marcada para 22 de março na Espanha e ainda não tem data definida para chegar ao Brasil. Fonte: G1

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: