Campanha arrecada R$ 20 mil e garante ceia de Natal para 200 prostitutas do Centro de SP

Foto: Marcelo Brandt

 

Grupo Mulheres da Luz, coordenado por uma freira e uma diarista, garantiu cestas básicas, kits de beleza e um lanche para mulheres com idades acima dos 40 anos, em extrema vulnerabilidade, que se prostituem por R$ 20.

 

 

Uma associação que atua pela garantia dos direitos humanos das mulheres em situação de prostituição arrecadou R$ 20 mil em um financiamento coletivo pela internet para realizar uma ceia de Natal no Parque da Luz, na região central da cidade de São Paulo. Neste ano, as mulheres, com idades acima dos 40 anos, vão levar para suas famílias uma cesta com alimentos e ganharam um kit com produtos de beleza.

 

Desde a sua formação, o coletivo Mulheres da Luz procura garantir um Natal com presentes para 200 mulheres, em sua maioria negras e pardas, provedoras de suas famílias e moradoras das periferias da capital. Em 2018, no entanto, a proposta das festas de fim de ano mudou a partir da escuta das necessidades delas.

 

“Costumávamos oferecer um almoço e sacolinhas com roupas e brinquedos para as crianças, mas elas pediram ajuda para, se possível, confraternizar com suas famílias. Então pensamos em oferecer uma cesta básica e um presente para cada uma por meio de um financiamento coletivo. Arrecadamos R$ 23 mil e pudemos acrescentar esta ceia, que é um lanche, na verdade”, explica Cleone Santos, uma das fundadoras do grupo. “Elas só pensam nas famílias, e por isso tivemos a ideia de pensar nelas por meio deste presente, que é um kit de beleza”, continua.

 

A campanha foi lançada em uma plataforma online no dia 30 de outubro e tinha um mês de prazo. A arrecadação para 200 cestas básicas, ao valor de R$ 70 cada, e de 200 kits de beleza, ao custo de R$ 30 cada, ganhou repercussão nas redes sociais e a meta de R$ 20 mil foi alcançada e ultrapassada. A confraternização com a entrega das cestas aconteceu na tarde de sexta-feira (21) no Parque da Luz.

 

Cestas básicas de Natal entregues para as prostitutas da Luz — Foto: Marcelo Brandt/G1

Cestas básicas de Natal entregues para as prostitutas da Luz – Foto: Marcelo Brandt

 

Primeiro passo: resgate da autoestima

 

O coletivo Mulheres da Luz foi fundado há cerca de 10 anos e, na linha de frente, conta com a militância de duas senhoras – a freira Regina Célia Coradin e a faxineira Cleone Santos. O primeiro projeto da dupla estava no resgate da autoestima das mulheres por meio da alfabetização.

 

Na juventude, irmã Regina foi professora e sua formação abrange estudos de psicologia, sociologia e teologia. Cleone é de Diadema, estudou até a 7ª série, mas sempre leu muito, sempre foi militante e engajada em causas políticas e sociais, além de ter tido a experiência de viver da prostituição.

 

“Cleone e eu nos conhecemos porque fazíamos trabalhos voltados para este público por meio de grupos diferentes. Ela é inteligentíssima, conhece meio mundo e é uma líder nata. Para que as mulheres reconhecessem seu valor pessoal e suas potencialidades, pensei em iniciar um trabalho de alfabetização. Cleone lembrou de um senhor que trabalhava com uma espécie de biblioteca itinerante, uma ‘bicicloteca’. Cleone improvisa e torna concreto”, afirma irmã Regina.

 

Irmã Regina, uma das fundadoras do Mulheres da Luz — Foto: Marcelo Brandt/G1

Irmã Regina, uma das fundadoras do Mulheres da Luz – Foto: Marcelo Brandt

 

O trabalho da associação cresceu e hoje oferece ampla assistência social por meio de parcerias com instituições e com profissionais voluntários, que promovem atendimento de saúde física e mental – com psicólogos, um ginecologista, um clínico geral e um dentista, e formação técnica – com oficinas de corte e costura, fotografia, meio ambiente e nutrição.

 

O objetivo de todo este serviço é dar a oportunidade para que essas mulheres possam se inserir no mercado de trabalho para geração de renda com mais qualidade de vida, mas mantendo sua autonomia e independência financeira.

 

“Nossas mulheres vêm de ambientes muito pobres, famílias desestruturadas e nunca tiveram oportunidades de desenvolver seu potencial. Chegam à vida adulta com uma bagagem de sofrimento incalculável, muito traumatizadas, e encontram na prostituição a única saída”, explica irmã Regina. “Nunca julgamos ou dizemos: ‘saia da prostituição’. Queremos que elas reconheçam seu valor pessoal e tenham ferramentas para que encontrem oportunidades”, continua.

 

Prostituta participante do Mulheres da Luz — Foto: Marcelo Brandt/G1

Prostituta participante do Mulheres da Luz – Foto: Marcelo Brandt

 

Quem são as mulheres da Luz

 

“Quando me separei, eu precisava de um trabalho com um horário que me permitisse estar em casa com meus quatro filhos”, conta Rita, que mora em Franco da Rocha. “Nessa semana, minha filha, de 19, me xingou, puxou meu cabelo, deu na minha cara. Meu filho, de 16, tem dado problemas, arrumando dívidas muito altas”, continua ela, que também cuida de um netinho.

 

Assim como Rita, a maior parte das mulheres da Luz disse à reportagem considerar a prostituição um “bico”, muitas vezes, para complementar uma renda adquirida por meio de faxinas. Apesar de programas que custam R$ 20 em média, elas sentem que o trabalho é um caminho possível para alguém marginalizado da sociedade desde sempre.

 

“Inúmeras delas sofreram abusos dentro da própria família ou no ambiente de trabalho. Como uma mulher pode acreditar que pode mais ou se sentir integrada à sociedade com uma história assim? Elas só querem levar um quilo de qualquer coisa para casa”, diz Cleone Santos.

 

Rita disse que, antes de fazer as oficinas do coletivo Mulheres da Luz, “nem sabia pegar em uma agulha”, mas que a “cada vez que a professora diz, ‘que lindo!’ é uma injeção de ânimo, uma terapia”. Ela começa a vislumbrar o futuro trabalhando com o artesanato e se diz grata à associação. “Esta ceia, hoje, é importante pra mim. Eu não teria como fazer uma”, afirma.

 

Irmã Regina e Cleone contam que, a partir do trabalho desenvolvido com as mulheres no Parque da Luz, quatro se tornaram assistentes sociais, outras trabalham como cuidadoras, há quem tenha apostado nas faxinas, e há ainda uma estudante do curso universitário de enfermagem. Todas voltam para ajudar como voluntárias.

 

“Eu mesma fui ajudada por diversos grupos e por isso ajudo também. Se eu não tivesse sido apoiada por eles, não sei se estaria nessa mesma condição. Nos mantemos com bazares em que vendemos roupas e objetos doados. Ao menos servir um chá, um café e uma bolacha, que por vezes é a única refeição que elas têm, nós temos conseguido fazer”, conta Cleone, que atua nas Mulheres da Luz no porão da administração do Parque da Luz.

 

Andreia, de 54 anos, atendida pela associação, se lembra do Natal no Rio Grande do Norte, 20 anos atrás, “em frente ao maior cajueiro do mundo”, com famílias e estranhos, e agradeceu à reportagem por tê-la feito se recordar daquela noite. Ela começou a trabalhar na Luz depois de viver um casamento em que era frequentemente agredida e foi expulsa de sua própria casa.

 

“Naquele relacionamento perdi tudo e cheguei a dormir na rua. Tive oportunidades de roubar e traficar, mas prefiro não mexer com ninguém. Acham que nossa vida é fácil, mas é a mais difícil e a mais terrível do mundo. Não têm ideia do que a gente passa, presencia, do que acontece. A gente vive no fio da navalha, essa é que é a verdade”, conclui.

 

Irmã Regina com mulher — Foto: Marcelo Brandt/G1

Irmã Regina com mulher – Foto: Marcelo Brandt Fonte: G1

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: