TV NEWS

Ex-marido de mulher presa após 17 anos foragida Ă© julgado nesta quarta (15) pela morte da enteada no ParanĂĄ

.

Por Redação em 14/05/2024 às 00:27:08
Everson Cilian é apontado como autor da morte de Andréa de Lorena, em 2007. Defesa diz que ele é inocente. Mãe da vítima foi presa após programa Linha Direta repercutir o caso. Everson Cilian, em depoimento à Justiça em julho de 2023

Reprodução/TV Globo

Everson Cilian, de 54 anos, será julgado nesta quarta-feira (15) pela morte da enteada, Andréa Rosa de Lorena, de 23 anos. Segundo a denúncia do Ministério Público do Paraná (MP-PR), ele cometeu o crime junto com a então esposa, Tânia Melo Becker de Lorena, mãe da vítima.

? Siga o canal do g1 PR no WhatsApp

? Siga o canal do g1 PR no Telegram

Andréa foi morta em 2007, em Quatro Barras, na Região Metropolitana de Curitiba (RMC). A promotoria diz que Tânia matou a filha para conseguir a guarda do neto.

Tânia foi presa no último sábado (11) em Marilândia do Sul, no norte do Paraná, após 17 anos foragida. O processo contra ela tramita separadamente da ação contra Everson.

O julgamento do réu será em Campina Grande do Sul, na região de Curitiba, onde a ação tramita. Segundo o Tribunal de Justiça do Paraná (TJPR), o júri começa às 9h e não será transmitido pela internet.

No mesmo ano do crime, Everson e Tânia viraram réus por homicídio triplamente qualificado. Everson estava foragido até ser preso em 2023, em Apucarana, também na região norte do estado.

LEIA TAMBÉM:

Deboche: Influencers suspeitos de promover 'Jogo do Tigrinho' incentivavam apostas mesmo proibidos pela Justiça, diz polícia

VÍDEO: Fumaça cobre parte de Curitiba e assusta moradores

Vai esfriar: Inmet emite alerta de queda de temperatura em 235 municípios do Paraná; veja quais

Tânia Djanira Melo Becker de Lorena foi presa em Marilândia do Sul

Polícia Militar do Paraná

A prisão de Tânia aconteceu dois dias depois do programa Linha Direta, da TV Globo, exibir o caso e incentivar denúncias contra ela. A história está disponível no Globoplay.

Nesta segunda-feira (13), o Ministério Público disse que pedirá a retomada do processo contra Tânia para que ela também vá a júri e que as provas já produzidas na ação penal contra o ex-marido sejam aproveitadas.

RELEMBRE

Como foi a investigação do caso

A prisão depois de 17 anos foragida

Nome falso para tentar despistar a polícia

Justiça decreta prisão

Acusada de matar filha foi presa 17 anos depois do crime

Arte/g1

Réu disse ser inocente

Em julho de 2023, durante uma audiência de instrução do processo, o réu falou pela primeira vez sobre o crime e afirmou ser inocente.

Questionado pelo Ministério Público, ele afirmou que se separou de Tânia cerca de 15 a 30 dias após a morte de Andréa, e que nunca mais teve contato com a então companheira.

Em nota, o advogado Maurício Baldassare, que defende Everson, reforçou a inocência do cliente.

"Acreditamos em sua inocência, e sua tese de defesa será abordada em momento oportuno dentro do processo. Reitero o compromisso da nossa equipe em garantir uma defesa robusta e justa para o nosso cliente. Estamos confiantes na integridade do processo judicial e esperamos que a justiça seja feita dentro do estabelecido pelo ordenamento jurídico brasileiro."

Entenda o caso

Andréa de Lorena foi morta em 12 de fevereiro de 2007. Ela deixou dois filhos: um menino e uma menina.

Conforme a denúncia, após um almoço de família na casa da vítima, os acusados usaram um fio elétrico para enforcar Andréa até ela parar de respirar.

Depois, colocaram o corpo dela embaixo da cama, que só foi localizado dois dias após a morte.

Andréa Rosa de Lorena foi morta em fevereiro de 2007 em Quatro Barras, Região Metropolitana de Curitiba

Arquivo da família

Segundo o MP apurou, antes do crime, Tânia e Everson pediam a guarda da criança na Justiça depois de passarem um tempo cuidando do menino enquanto a mãe se recuperava de um acidente de motocicleta.

No processo que investigou o caso, a Justiça considerou declarações de testemunhas que acompanhavam a disputa de Tânia pela guarda do filho de Andréa.

Um dos depoimentos no processo é o do pai da vítima, ex-marido de Tânia. Ele relatou que soube de ameaças da ex-esposa à filha.

Relatou, também, que quando Tânia cuidava da criança, Andréa e o então marido, Juliano Saldanha, precisaram pegar a criança à força.

O homem, apesar de não ser pai biológico do menino, ajudou a esposa a reaver o filho, de acordo com o processo.

Mais assistidos do g1 PR

Leia mais em g1 Paraná.
Comunicar erro
SPJ JORNAL 2