TV NEWS

Justiça condena a Prefeitura de São LuĂ­s a realizar concurso pĂșblico para professor da rede municipal de ensino

.

Por Redação em 10/06/2024 às 19:32:17
Foi determinado, ainda, que seja apresentado, no período de 90 dias, um cronograma das medidas a serem adotadas pelo município para cumprir a determinação judicial. Rede municipal de ensino de São Luís.

Divulgação/Prefeitura de São Luís

A Justiça do Maranhão condenou a Prefeitura de São Luís a realizar, no prazo de um ano, concurso público para professor da rede municipal de ensino. Foi determinado, ainda, que seja apresentado, no período de 90 dias, um cronograma das medidas a serem adotadas pelo município para cumprir a determinação judicial.

? Clique aqui para se inscrever no canal do g1 MA no WhatsApp

A sentença foi dada na última segunda-feira (3), pelo juiz titular da Vara de Interesses Difusos e Coletivos de São Luís, Douglas de Melo Martins. A decisão da Justiça teve como base as solicitações feitas pelo titular da 5ÂȘ Promotoria de Justiça Especializada de Educação de São Luís, Lindonjonsom Gonçalves de Sousa, em Ação Civil Pública, ajuizada em maio de 2023.

Ação Civil Pública

Segundo o MP-MA, em dezembro de 2022, o município publicou edital para processo seletivo para contratação de professores e foram observadas diversas inconsistências no edital, incluindo proximidade das eleições municipais, em outubro de 2024. Isto levaria as contratações a criar um "curral eleitoral" na administração municipal, cuja estrutura seria usada para ampliar a votação da gestão.

Na ACP, o MP-MA argumentou que a utilização excessiva de contratos temporários causa prejuízos para o fundo de aposentadoria dos servidores públicos municipais e que o sistema atual de contratação de pessoal temporário para atividades permanentes visa a burlar a determinação constitucional de realização de concursos públicos.

O Ministério Público pontuou, ainda, que a preferência por processos seletivos contraria os princípios básicos de gestão pública, que obriga formação contínua, o que requer investimento público para quadro permanente de servidores.

Na ACP, a 5ÂȘ Promotoria de Justiça de Educação apontou que o município de São Luís estava nomeando mais de 600 professores temporários, o que indicava a necessidade permanente da administração pública.

Em 2016, o município havia publicado outro edital de processo seletivo para contratar professores temporários. A partir da seleção, 387 docentes foram admitidos.

Para o MP-MA, a seleção abrangente de atividades permanentes reforça o poder de nomeação e o comprometimento do servidor, não com a população, mas com o gestor temporário, que cumpre mandato eletivo.

"Neste caso, o 'nomeado' sai junto com o 'nomeante', afetando o conhecimehto necessário, não somente à prestação de serviços permanente, mas, sobretudo, à política pública de recuperação dos indicadores catastróficos da cidade de São Luís.", ressalta Lindonjonsom Sousa.

Situação constante

Segundo o promotor de justiça, as denúncias sobre a falta de professores nas escolas municipais são constantes. Um dos exemplos é o da Unidade de Ensino Básica (UEB) Rosália Feire, no bairro da Vila Embratel. Nela, faltavam professores de Português, História e Geografia, no 7Âș ano do ensino fundamental.

Outro caso é o da UEB Salomão Fiquene, no Tibiri. Na escola, não estavam sendo ministradas aulas de Português, Matemática, Educação Física e Ciências, devido à falta de docentes.

Foram pedidos esclarecimentos sobre as duas escolas, e o Município não respondeu ao Ministério Público.

Desrespeito

Na decisão, o juiz enfatiza que não é adequado manter professores com vínculos precários com a administração municipal, desprezando a regra primordial do concurso público.

"Resta evidenciado nos autos que o Município de São Luís fez contratações precárias em detrimento da via constitucional para acesso a cargos públicos e em desrespeito ao princípio da legalidade", afirma o magistrado.

A multa por descumprimento foi fixada no valor de R$ 1 mil diários, a serem transferidos ao Fundo Estadual de Direitos Difusos.

O g1 a Procuradoria Geral do Município (PGM) informou que o município de São Luís ainda não recebeu a notificação sobre essa decisão judicial.
Comunicar erro
SPJ JORNAL 2