TV NEWS

Empresa contratada para fretar voo do Haiti para MT Ă© alvo de operação após descumprimento de acordo

.

Por Redação em 11/06/2024 às 23:20:38
As vítimas são imigrantes do Haiti no Brasil e pagaram R$ 741 mil pelo frete do voo, que foi contratado para trazer os parentes dos haitianos ao país. A ação foi deflagrada nesta terça-feira (11), nos municípios de Itajaí (SC) e Camboriú (SC)

Polícia Civil de Mato Grosso

A Polícia Civil cumpriu 17 mandados, na Operação Falso Embarque que investiga um possível golpe na fretagem de um voo de Porto Príncipe, no Haiti, para Mato Grosso. A ação foi deflagrada nesta terça-feira (11), nos municípios de Itajaí (SC) e Camboriú (SC).

De acordo com a polícia, as vítimas são imigrantes do Haiti no Brasil e pagaram R$ 741 mil pelo frete do voo, que foi contratado para trazer os parentes dos haitianos para o território brasileiro, o que não aconteceu.

? Clique aqui para seguir o canal do g1 MT no WhatsApp

Ao todo, foram cumpridos cinco mandados de busca e apreensão, três de proibição de saída do país, dois de suspensão de atividade empresarial, três de suspensão da atividade profissional da advocacia e quatro ordens judiciais de bloqueio de bens e valores.

Investigações

Segundo a Polícia Civil, as investigações iniciaram em novembro de 2023 após a Associação de Defesa dos Haitianos Imigrantes e Migrantes em Mato Grosso, procurem a Delegacia de Estelionato, informando, que devido a crise política no Haiti, diversos membros juntaram dinheiro para fretar um avião e trazer os parentes mais próximos, já que que não existem voos comerciais entre os dois países.

Entenda o caso

Os imigrantes firmaram um contrato no valor de R$ 741 mil com uma empresa e uma advogada, cujo objeto era o frete de um avião que partiria do Aeroporto Toussaint Louverture em Porto Príncipe, Haiti, com destino ao Brasil.

No entanto, conforme a denúncia, o acordo não foi cumprido pela empresa, e o avião não decolou na data prevista. Apesar de diversas tentativas de resolver a situação, nenhuma nova data foi proposta, nem o valor pago pelas vítimas foi devolvido.

Com isso, a associação dos haitianos solicitou a restituição do valor pago à advogada da empresa, que afirmou que o reembolso seria feito gradualmente a partir da conta bancária da companhia aérea. Porém, não foi apresentada uma data ou compromisso concreto para a devolução do dinheiro.

Com base nessas informações, foi instaurado um inquérito policial na Delegacia de Estelionato de Cuiabá. Foram expedidas ordens judiciais contra os responsáveis pela empresa e a advogada que a representava.

Em Santa Catarina foram apreendidos computadores da empresa de viagens, aparelhos celulares, um computador da advogada e um carro novo.
Comunicar erro
SPJ JORNAL 2