TV NEWS

Senado aprova bolsa de pelo menos R$ 700 para alunos de baixa renda da graduação

.

Por Redação em 12/06/2024 às 00:35:58
Estudantes de cursos técnicos também poderão receber bolsa de R$ 300. Proposta segue para sanção do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Plenário do Senado Federal durante sessão deliberativa ordinária

Pedro França/Agência Senado

O Senado aprovou nesta terça-feira (11) um projeto que estabelece em lei o Programa Bolsa Permanência (PBP), com um auxílio de, no mínimo, R$ 700 mensais para estudantes de graduação e de R$ 300 para alunos de cursos técnicos (nível médio). A proposta segue para sanção do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

O Bolsa Permanência está dentro da Política Nacional de Assistência Estudantil (PNAES), também prevista na matéria aprovada pelos senadores. O objetivo desse plano é evitar a evasão e incentivar o término da formação dos estudantes matriculados em instituições federais de ensino superior.

A PNAES, além dessa bolsa, reúne outras 10 iniciativas, como um programa de atenção à saúde mental e um sobre alimentação saudável.

A soma de todos os benefícios não pode superar 1,5 salário mínimo por estudante, exceto no caso de indígenas e quilombolas.

O Programa Bolsa Permanência existe pelo menos desde 2013, como ação do Ministério da Educação (MEC). Atualmente, o foco é atender, principalmente, estudantes quilombolas, indígenas e em situação de vulnerabilidade socioeconômica.

O projeto aprovado pelo parlamento amplia a extensão do auxílio e o torna lei, para que não seja cancelado ou desidratado diante da mudança de governos.

O auxílio será concedido a estudantes que não recebam bolsa de órgãos governamentais.

Terá direito à Bolsa Permanência o estudante que cumprir os seguintes requisitos:

a renda mensal de cada pessoa da família não pode ultrapassar um salário mínimo;

o aluno deve estar matriculado em curso de graduação com carga horária igual ou maior que cinco horas por dia ou em um curso técnico;

não passar dois semestres além do tempo regulamentar da graduação.

A regra é diferente para estudantes indígenas e quilombolas:

podem ficar até quatro semestres além do tempo regulamentar do curso;

não precisam cumprir a exigência da renda ou da carga horária;

o valor do auxílio será o dobro do pago para os demais alunos.

VÍDEOS: mais assistidos do g1
Comunicar erro
SPJ JORNAL 2