Muito além da sopa de letrinhas

Por Redação em 13/01/2022 às 14:49:13
Conhecer os significados e aplicações das siglas do mercado financeiro te ajuda a entender melhor o funcionamento da economia. Inteligência Financeira

Divulgação

Sabe quando você está lendo uma reportagem sobre investimentos e precisou pesquisar o significado de uma sigla, tipo Copom, Selic ou CDB? Olha, se respondeu timidamente pra si mesmo que sim e depois ficou com aquela sensação de frustração, relaxe. O mundo dos investimentos tem mesmo essa particularidade de usar inúmeras siglas e lembrar o significado de todas é um desafio. Mas diferentemente de uma sopa de letrinhas, cada uma delas tem sua razão de ser. Quer ver só?

“O Comitê de Política Monetária divulgou, nesta semana, o aumento de 1,5% na taxa do Sistema Especial de Liquidação e Custódia, elevando-a para 9,25%, o maior índice registrado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística desde 2017. A medida foi tomada com o objetivo de conter a inflação, uma vez que o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo está em 10,67% no acumulado de 12 meses até outubro”.

Conseguiu identificar quantas siglas? Com o uso delas, o texto ficaria assim:

“O Copom divulgou, nesta semana, o aumento de 1,5% na Selic, elevando-a para 9,25%, o maior índice registrado pelo IBGE desde 2017. A medida foi tomada com o objetivo de conter a inflação, uma vez que o IPCA está em 10,67% no acumulado de 12 meses até outubro”.

Percebe a diferença? Enquanto na primeira versão temos 69 palavras, na segunda são 48, uma redução de quase 50%. Agora, imagine-se lendo uma reportagem sobre investimentos em que as siglas são substituídas pelos seus significados. Se usarmos o padrão do nosso exemplo, elas seriam mais ou menos 50% maiores. A compreensão ficaria mais difícil não apenas pelo tamanho do texto, como também pela falta de marcadores que facilitam a identificação rápida da informação.

Maravilha, mas de nada adianta identificar as siglas se não conhecemos seus significados, não é mesmo? É exatamente nesse ponto que a gente quer ajudar: explicando o significado das principais siglas e uma breve explicação sobre elas. A gente sabe que ler uma vez, apenas, não vai resolver a questão, mas aos poucos você pode ir se familiarizando. E pra facilitar um pouco mais, separamos as siglas em 3 grupos: ativos, definições e taxas e índices. Bora dar uma olhada?

ATIVOS FINANCEIROS OU SIMPLESMENTE ATIVOS

São os produtos financeiros que podem ser negociados por você. Os principais são os títulos públicos, títulos privados e ações.

CDB – Certificado de Depósito Bancário

É um título de renda fixa emitido por bancos. Funciona como um empréstimo a um banco com um prazo predeterminado e cuja taxa de remuneração varia de CDB para CDB.

CRA – Certificados de Recebíveis do Agronegócio

Títulos de renda fixa lastreados em recebíveis originados de negócios entre produtores rurais, ou suas cooperativas, e terceiros, abrangendo financiamentos ou empréstimos relacionados ao setor.

CRI – Certificado de Recebíveis Imobiliários

São títulos emitidos por companhia securitizadora, lastreados nos fluxos de recebíveis originados por financiamento imobiliário.

LCA – Letra de Crédito do Agronegócio

Ativo de renda fixa, emitido por instituições financeiras públicas e privadas. Na prática, ao investir em LCA, você estará emprestando dinheiro para o agronegócio.

Título do Tesouro Direto (ok, não é sigla, mas a gente gosta de explicar)

O Tesouro Direto é um programa criado entre o Tesouro Nacional e a B3 (Bolsa de Valores oficial do Brasil). É pelo Tesouro que investidores podem comprar e vender títulos públicos, tornando-se assim, credores do governo federal. Existem três tipos:

Tesouro Prefixado: tem taxa de juros estabelecida na hora em que o investidor faz a aplicação.

Tesouro IPCA+: título que remunera a variação da inflação (o IPCA, que é o Índice Nacional de Preços ao consumidor amplo) mais uma taxa adicional, por exemplo, IPCA+3,12% ao ano. O investidor pode resgatar antes do prazo, mas a rentabilidade pode ser maior ou menor do que a contratada.

Tesouro Selic: título que acompanha taxa de juros básica da economia. É o mais estável, e o investidor não corre riscos de perdas se fizer resgate antecipado. Rende mais do que a poupança e CDBs que paguem menos que 100% do CDI.

LTN – Letra do Tesouro Nacional

Título de responsabilidade do Tesouro Nacional, emitido para a cobertura de déficit orçamentário, exclusivamente sob a forma escritural, no Sistema Especial de Liquidação e Custódia (SELIC). É um título de rentabilidade prefixada.

DEFINIÇÕES DO MERCADO FINANCEIRO

Algumas das siglas mais usadas no mercado financeiro e que, por isso mesmo, você deve conhecer.

AAI – Agente autônomo de investimentos

Profissional apto a atuar no mercado financeiro em nome de terceiros. Ele pode trabalhar sozinho ou em conjunto com outros agentes, formando um escritório de AAIs.

BI – Banco de Investimento

Instituições financeiras especializadas em operações estruturadas, emitindo ativos como debêntures, e prestando assessoria financeira, como nos processos de abertura de capital na Bolsa de Valores.

D+0, D+1, D+2

Prazos de resgate de investimentos, considerando apenas dias úteis. As siglas representam a quantidade de dias para o dinheiro cair na conta do investidor.

ESG - Environmental, Social, Corporate Governance

Empresas com as melhores práticas para questões ambientais, sociais e de governança são consideradas empresas ESG.

IPO – Initial public offering

Processo em que uma empresa privada decide abrir o capital e tem as suas ações vendidas pela primeira vez em Bolsa de Valores.

Nasdaq - National Association of Securities Dealers Automated Quotations

Bolsa de Valores localizada em Nova York, nos Estados Unidos. Pelo seu volume de negociações, é considerada uma das maiores do mundo.

TAXAS E ÍNDICES

Eles são os parâmetros do mercado financeiro. Em outras palavras, os oráculos que todo mundo precisa consultar antes de tomar uma decisão econômica

TAXA SELIC – Taxa do Sistema Especial de Liquidação e Custódia

É a taxa básica de juros da economia e é por ela que o Banco Central controla a inflação. A Selic influencia os juros que são cobrados em empréstimos e financiamentos - e ela ainda baliza os investimentos.

CDI – Certificado de Depósito Interbancário

Parâmetro para grande parte dos investimentos de renda fixa e termômetro para quase todas as aplicações no Brasil.

CDS – Credit default swap ou risco-país

O CDS é um contrato derivativo que funciona como um seguro para quem empresta dinheiro. Por levar em sua precificação o risco de inadimplência do tomador do empréstimo, o CDS é muito usado como termômetro para o risco de um país.

DI – Depósito Interbancário

Referência para grande parte dos investimentos de renda fixa. Média do custo de empréstimos realizados entre bancos, via CDI, que acompanha a Selic. Geralmente, o DI equivale à Selic descontada de 0,10 ponto percentual.

ETF – Exchange Traded Fund

Fundo negociado em Bolsa. Ele replica o desempenho de índices como Ibovespa e Nasdaq e também são chamados de fundos de índice.

IGP-M – Índice Geral de Preços do Mercado

Indicador de inflação que baliza, por exemplo, os contratos de aluguel.

IPCA – Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo

Índice que mede a inflação de um conjunto de produtos e serviços comercializados no varejo, referentes ao consumo pessoal das famílias.

IOF - Imposto sobre Operações Financeiras

Imposto federal que incide sobre determinadas operações financeiras da população

TR – Taxa Referencial

Índice aplicado para a correção monetária em alguns ativos financeiros, poupança e no Fundo de Garantia por Tempo de Serviço.

E aí, curtiu conhecer um pouco mais sobre o significado dessas siglas? Percebeu como saber a importância delas ajuda na memorização e no aprendizado? Pois é, mas se você quer aprender mais sobre elas e muitas outras, acesse a Inteligência Financeira e tenha uma verdadeira aula sobre economia e, claro, de um jeito que você entende.
Comunicar erro

Comentários