Ônibus voltam a circular na região de Campinas após paralisação em protesto contra morte de presidente de sindicato

Por Redação em 27/01/2022 às 13:33:01

Volta é gradual e só será 100% normalizada após o sepultamento de Nilton Aparecido de Maria, marcado para o início da tarde. Manifestação causou transtornos em Campinas, Valinhos, Vinhedo, Paulínia e Indaiatuba. As linhas de ônibus paralisadas durante a manhã desta quinta-feira (27), por conta do assassinato do presidente do Sindicato dos Rodoviários, começaram a retomar a circulação em cidades da região de Campinas (SP) . A volta é gradual e só será 100% normalizada após o sepultamento de Nilton Aparecido de Maria, marcado para o início da tarde no Cemitério dos Amarais.

A paralisação afetou linhas municipais e intermunicipais em Campinas, Paulínia (SP), Valinhos (SP), Vinhedo (SP) e Indaiatuba (SP), e causou transtornos para os passageiros. [veja abaixo detalhes dos reflexos]

Na metrópole, das 200 linhas que circulam na cidade, 110 ficaram completamente paradas, o que significou um impacto de 55% no total da frota. De acordo com a Empresa Municipal de Desenvolvimento da Metrópole (Emdec), 76 mil pessoas foram afetadas durante a manhã.

Compartilhe esta notícia no WhatsApp

Compartilhe esta notícia no Telegram

No início da tarde, pelo menos 35% das linhas que ficaram paralisadas já tinham voltado a circular, de acordo com Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros da Região Metropolitana de Campinas. A Emdec ainda afirmou que se solidariza com a família de Nilton, mas a população não pode ser prejudicada e, por isso, entrou com uma liminar no Tribunal Regional do Trabalho (TRT) para que a operação fosse totalmente normalizada.

Paralisação de ônibus causou transtornos em Campinas

Reprodução/EPTV

Segundo a autarquia, os terminais Central, Campo Grande, Mercado I e III, Itajaí, Shopping Dom Pedro e Shopping Iguatemi estão abertos. Já os de Barão Geraldo, Ouro Verde, Padre Anchieta, Vida Nova e Vila União estão fechados, com operação mista, fora do terminal.

"A medida é utilizada para não prejudicar o usuário, uma vez que para entrar no terminal ele paga a passagem ao passar pela catraca e pode não ter o ônibus que ele precisa naquele momento. Por isso a operação é feita fora do terminal e o usuário paga a passagem dentro do ônibus", informou a Emdec.

Paralisação

A paralisação provocou um transtorno em toda a região nesta quinta-feira. A EPTV, afiliada da TV Globo, esteve no Terminal Central de Campinas e conversou com passageiros que foram prejudicados.

"Tive que ligar para o meu supervisor e estou aguardando ele vir me buscar. É um transtorno, eu não esperava isso hoje", disse a auxiliar de limpeza Marta Bitral.

Passageiros machucou o braço depois de ficar preso na porta de ônibus em Campinas

Reprodução/EPTV

Outro passageiro também afirmou que teve o dia totalmente afetado pela manifestação. "Cheguei aqui e fui surpreendido. Vou voltar para a minha casa, é um dia perdido", completou. Motoristas também atravessaram ônibus na Avenida João Jorge e bloquearam o trânsito na via, que é uma das principais da metrópole. Terminais e pontos de ônibus ficaram muito lotados.

Os ônibus que circularam ficaram muito cheios por conta da falta de veículos suficiente. Um vigilante que trabalha durante a madrugada e estava voltando para a casa ficou preso na porta. Para avisar o motorista, ele deu um soco no vidro e machucou a mão. "Estava muito cheio. Eu quero ir embora pra casa, só isso", desabafou.

O Setcamp, no entanto, disse que a história é diferente e que na verdade o passageiro não conseguiu entrar no ônibus a tempo e por isso acabou dando um soco no vidro.

Ônibus não saíram da garagem nesta quinta-feira em Campinas

Giuliano Tamura/EPTV

Linhas intermunicipais

De acordo com a Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos (EMTU), a paralisação também afetou o transporte público intermunicipal de coletivos que fazem o trajeto de Campinas para Valinhos e Vinhedo. Veja as linhas:

687

687EX1

677

675

674

686

680

688

676

679

685

683

680VP1

678

727

724

Em Valinhos, além dos transporte intermunicipal, os ônibus urbanos também ficaram paralisados. A rodoviária do município está fechada e nenhum coletivo saiu da garagem pela manhã.

A situação só começou a ser normalizada após o velório e sepultamento do presidente do sindicato, que aconteceram na manhã desta quinta no Cemitério dos Amarais, em Campinas.

O Grupo Sou, que administra o transporte municipal em Valinhos e Indaiatuba, disse que foi surpreendido com a paralisação e lamentou o ocorrido.

Rodoviária de Valinhos ficou fechada nesta quinta-feira

Fernando Brocchi/JTV

Morte de presidente

A Polícia Civil colheu quatro depoimentos na quarta-feira para investigar o assassinato de Nilton Aparecido de Maria, de 57 anos. Foram ouvidos familiares da vítima e representantes da entidade que ele presidia.

Segundo a Polícia Civil, imagens enviadas para a investigação permitiram o rastreamento da placa do veículo usado no crime. Nenhum suspeito foi preso até a noite desta quarta. A principal hipótese é de que o sindicalista tenha sido executado.

O presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários de Campinas e Região foi assassinado com um tiro na nuca, em frente à casa onde morava, no Núcleo Residencial Gênesis, na metrópole.

Nilton Aparecido de Maria saía da residência com a esposa quando ambos foram abordados por um homem que saiu de um carro anunciando um assalto. O presidente do sindicato levaria a mulher para trabalhar.

À EPTV, familiares relataram que Nilton foi eleito presidente do Sindicato dos Rodoviários de Campinas e Região em agosto de 2021. Desde então, segundo a família, ele recebia ameaças de morte - informação que foi dita também pelo advogado da associação.

O presidente do Sindicato dos Rodoviários de Campinas e Região, Nilton de Maria, foi assassinado nesta quarta-feira (26)

Arquivo pessoal

VÍDEOS: saiba tudo sobre Campinas e Região

Veja mais notícias da região no g1 Campinas
Comunicar erro

Comentários