Dólar opera em queda, mas acima de R$ 5,20

Por Nardel Azuoz em 24/06/2022 às 09:46:04
Na quinta-feira (23), a moeda norte-americana fechou em alta de 1,02%, a R$ 5,2292 - maior patamar desde 11 de fevereiro. Notas de dólar

Gary Cameron/Reuters

O dólar opera em queda nesta sexta-feira (24), em meio a temores de que juros mais altos nas principais economias levem a uma recessão global, além do cenário doméstico agravado por receios políticos e fiscais.

Às 9h22, a moeda norte-americana caía 0,29%, vendida a R$ 5,2141. Veja mais cotações.

Na quinta-feira, o dólar fechou em alta de 1,02%, a R$ 5,2292 – maior patamar de fechamento desde 11 de fevereiro (R$ 5,2414). Com o resultado, passou a acumular alta de 10,05% no mês. No ano, ainda tem desvalorização de 6,20% frente ao real.

LEIA TAMBÉM:

Comercial x turismo: qual a diferença e por que o turismo é mais caro?

O que faz o dólar subir ou cair em relação ao real?

Qual o melhor momento para comprar?

Dinheiro ou cartão? Qual a melhor forma de levar dólares em viagens?

o

Entenda o que faz o dólar subir ou descer

O que está mexendo com os mercados?

Lá fora, os mercados seguem pressionados pelas preocupações crescentes de que políticas monetárias mais rígidas e a inflação crescente aumentam as chances de uma recessão global.

Entre as commodities, os preços do petróleo tinham alta, com o barril de Brent se mantendo acima de US$ 110. Já os contratos futuros do minério de ferro subiram 1% na China após uma queda recorde de 10 sessões.

Os sinais de desaceleração do crescimento econômico diminuíam as expectativas sobre o quanto o Federal Reserve (BC dos EUA) aumentará os juros para conter a inflação.

Temores de que o aperto agressivo por parte dos principais bancos centrais causará uma retração econômica acentuada têm afetado os mercados financeiros neste mês. A atividade empresarial dos EUA desacelerou consideravelmente em junho, levando os investidores a reduzir as apostas sobre o pico dos juros e a antecipar suas apostas sobre o momento de cortes.

Na agenda doméstica, o IBGE divulgou a prévia da inflação de junho, que ficou em 0,69%, acima da taxa de 0,59% registrada em maio. No ano, acumula alta de 5,65% e, em 12 meses, de 12,04%.

A FGV mostrou que a confiança do consumidor avançou 3,5 pontos em junho, para 79 pontos. Apesar da melhora, o termômetro ainda segue abaixo do patamar de 1 ano atrás.

Na véspera, o Conselho Monetário Nacional (CMN) definiu que a meta de inflação para 2025 será de 3%. A tolerância para a meta ser considerada cumprida é de 1,5 ponto percentual. Com isso, a meta será considerada cumprida em 2025 se ficar entre 1,5% e 4,5%. Em nota, o CMN afirmou que a fixação da meta reduz incertezas e pode aumentar investimentos, pois aumenta a "capacidade de planejamento das famílias, das empresas e do governo".

As iniciativas do governo de criar um auxílio aos caminhoneiros e ampliar o vale-gás a famílias de baixa renda levantava temores sobre qual será o impacto nos cofres públicos, num momento de aperto nas contas da União.

O presidente Jair Bolsonaro sancionou, com vetos, o projeto que limita o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) sobre itens como diesel, gasolina, energia elétrica, comunicações e transporte coletivo.

Bolsonaro sanciona com vetos projeto que limita ICMS sobre combustíveis
Comunicar erro

Comentários