História, cultura e boemia: conheça a Bela Vista, região no Centro de São Paulo onde o antigo e o moderno se misturam

Por Nardel Azuoz em 25/06/2022 às 15:50:55
Bairro é povoado por casas antigas, cantinas, e também tem uma vida noturna vibrante, principalmente na Rua Augusta. Mistura Paulista deste sábado também visitou a Liberdade. Carro antigo na Bela Vista

Reprodução/TV Globo

Um dos poucos lugares na capital paulista onde ainda é possível encontrar características originais do traçado urbano é a Bela Vista, na região central.

Em algumas áreas do bairro é possível fazer uma viagem ao passado diante de casas antigas ainda preservadas, cantinas tradicionais do Bixiga e até em comércios especializados na venda de antiguidades.

Com inúmeros teatros e casas noturnas, a região tem uma vida noturna vibrante. Em outro extremo, como na rua Augusta, o moderno ganha espaço e a diversidade atrai um público muito eclético. O Mistura Paulista deste sábado mostrou várias particularidades da Bela Vista. O programa também percorreu outro bairro da região central, a Liberdade.

No ponto conhecido como Bixiga, nome que deixou de existir oficialmente há várias décadas, o passado tem bastante espaço. Exemplo disso é o que ocorre aos domingos na Praça Dom Orione há 40 anos: uma feira de antiguidades que reúne cerca de 300 barracas e onde é possível encontrar uma infinidade de peças. Caminhar pela feira é voltar ao passado. Tem brinquedos, mobiliários, eletrodomésticos, obras de arte, discos em vinil, itens domésticos e muita coisa de colecionador, que vão de cédulas e moedas a medalhas de guerra.

Uma imagem que há alguns anos chama a atenção de quem passa pela praça é uma edificação antiga que está instalada no alto de um prédio. A “Casa Amarela”, como foi chamada pelo idealizador do projeto, é uma réplica de uma casa de 1920. O empresário Jorge Miguel conta que resolveu fazer essa casa como um meio de preservar a história e a cultura do Bixiga.

Segundo Miguel, muitos prédios foram substituindo as antigas casas do bairro, então ele decidiu fazer algo que resgatasse um pouco dessa história e ficasse como referência do que foi a região no passado. Muito do material utilizado na construção, como portas, janelas e telhado são materiais originais, de casas demolidas no bairro. O projeto dele tem direito até a um carro na garagem: um Ford Modelo A 1931, que precisou ser içado por um guindaste para chegar ao topo do prédio.

Mas essa região também é muito frequentada por quem procura boas opções gastronômicas. Não é à toa que aos domingos formam-se filas na frente dos estabelecimentos e, mesmo com o tempo de espera, as pessoas costumam sair bastante satisfeitas com o cardápio e o atendimento. As cantinas são tradicionais e a maioria entre os restaurantes do Bixiga, mas não há somente comida italiana na região.

O Rancho Nordestino é um exemplo disso, que aproveita o clima leve e descontraído da Bela Vista para oferecer o que há de melhor na culinária nordestina. Fundado em 1981, o restaurante é especializado em baião de dois, paçoca de carne de sol, sem contar os mais de 50 tipos de cachaças disponíveis, excelentes para acompanhar os pratos.

Tem alternativa também para quem gosta de almoçar ou tomar aquele café ao som de música ao vivo. No Da Praça Restaurante e Café o chorinho é o ritmo da vez.

Também não faltam bares na região e, nesse circuito, há o destaque de um por sua proposta bem diferente: o Ludus Luderia, que é especializado em jogos de tabuleiro. Nesse espaço é possível comer, beber, conversar e jogar. Desde 2007 na Bela Vista, a casa tem um acervo de mais de 1.200 jogos de tabuleiro, entre nacionais e importados. Os frequentadores pagam um valor na entrada e podem jogar quantos jogos quiserem. Outro diferencial que torna o clima ainda mais divertido é que até o cardápio conta com nomes de jogos. Para quem não sabe as regras dos jogos, há monitores à disposição para ensinar durante a experiência lúdica.

Ludus Luderia, na Bela Vista

Reprodução/TV Globo

Aos adeptos de atrações alternativas madrugada adentro, é na Bela Vista que está o Madame Satã, casarão que fez história nos anos 1980 e lançou bandas de rock do país. O espaço chegou a ficar fechado por um tempo, mas desde 2011 continua com uma opção para quem curte um ambiente dark e underground. O Madame Satã mantém as características originais do prédio, como o porão de paredes pretas e iluminação esfumaçada.

Para quem procura o que fazer o dia todo, a rua Augusta é um bom ponto de parada na região. Durante o dia o comércio flui ao longo da avenida e há muita coisa diferente e alternativa para conhecer e comprar.

Leia também:

Arte, cultura e diversão para todos os gostos: conheça a Vila Madalena, um bairro em constante transformação

Canindé e Pari: conheça região de São Paulo em que variedade de povos, línguas e culturas se encontram

Foi no coração da Augusta nasceu, na década de 1960, a Au Bottier, idealizada por Mr. Maurice, um francês radicado no Brasil. A loja, destinada a conserto de sapatos virou referência desde então, principalmente com a confecção de botas e outros calçados sob medida e com modelos exclusivos.

Hoje, o espaço é comandado pelas filhas de Maurice, Alegra e Mireille, que mantêm a mesma linha de trabalho. Um painel de fotos no estabelecimento mostra grande quantidade de artistas renomados do circuito nacional que já calçaram os produtos criados ali. Elba Ramalho, Pablo Vitar e Gloria Groove são alguns nomes que passaram pela Au Bottier recentemente.

Falando em artistas, a arte é algo muito forte na Augusta, que tem uma série de casas noturnas e teatros. E é também na Augusta que há muito espaço para diversidade, com muitas opções voltadas ao público LGBTQIA +.

O Clube Barbixas de Comédia é um desses espaços. Dedicado ao humor e suas múltiplas linguagens e expressões artísticas, ele oferece shows de stand-up, esquetes, improviso, concurso de drag queens, palhaçaria, entre outros.

Há também bares e restaurantes de todos os tipos e para gostos muito diversificados. Há, no entanto, uma opção que consegue reunir num só espaço várias opções: o Calçadão Urbanóide, que liga a rua Augusta à rua Frei Caneca. Num ambiente bem descontraído tem chopes, drinks, tabacaria, porções, comida asiática, peruana, mexicana, síria, além de típicas brasileiras da Bahia e do Pará. O espaço conta com som ambiente e tem música ao vivo em alguns momentos.

Resumindo

Feira de Antiguidade do Bixiga

Casa Amarela

Rancho Nordestino

Ludus Luderia

Madame Satã

Au Bottier

Clube Barbixas de Comédia

Calçadão Urbanóide

Serviço

Feira de Antiguidade do Bixiga

Endereço: Praça Dom Orione

Funcionamento: Domingos, das 8h às 17h

Casa Amarela

Endereço: R. Treze de Maio, 911

Rancho Nordestino

Endereço: rua Manoel Dutra, 498

Funcionamento: Segunda à domingo das 11h30 às 23h30

Telefone: (11) 2548-4092

Da Praça Restaurante

Endereço: rua Fortaleza, 288

Telefone: (11) 2476-1945

Ludus Luderia

Endereço: rua Treze de Maio, 972

Funcionamento: Quinta à sábado, das 18h à 1h e aos domingos das 16h às 23h

Telefone: (11) 99241-2211

Madame Satã

Endereço: rua Conselheiro Ramalho, 873

Funcionamento: Sexta à domingo, das 22h às 5h

Telefone: (11) 2592-4474

Au Bottier

Endereço: rua Augusta, 1206

Funcionamento: Segunda à sexta, das 9h30 às 18h30 e sábados das 9h30 às 15h30

Telefone: (11) 95051-1525

Contato: www.aubottier.com.br / [email protected]

Clube Barbixas de Comédia

Endereço: rua Augusta, 1129

Funcionamento:

Terça à sábado, das 19h às 00h

Domingos e feriados, das 17h às 00h

Telefone: (11) 2892-8584

[email protected]

Calçadão Urbanóide

Endereço: rua Augusta, 1291 / rua Frei Caneca, 1024

Funcionamento: Quarta-feira, das 16h às 22h

Quinta-feira, das 16h às 23h

Sexta-feira e sábado, das 16h à 1h

Domingo, das 12h às 23h

Comunicar erro

Comentários