7 em cada 10 profissionais da geração Z acreditam que home office pode impactar crescimento profissional

Por Redação em 13/10/2021 às 08:30:22

Além disso, 72% dos jovens profissionais sentem que a pandemia prejudicou o aprendizado de habilidades comportamentais, conhecidas como soft skills. Muitos profissionais da geração Z iniciaram suas carreiras remotamente, devido ao isolamento.

Thirdman/Pexels

Pesquisa realizada pela rede social profissional LinkedIn aponta que 70% dos jovens da geração Z (com idades entre 16 e 24 anos) acreditam que trabalhar remotamente pode impactar o seu crescimento de carreira, principalmente por não terem contato presencial com seus colegas mais experientes.

O levantamento foi feito com o objetivo de avaliar a percepção dos jovens sobre o mercado de trabalho e os impactos da pandemia no seu crescimento profissional, tendo em vista que muitos iniciaram suas carreiras remotamente, devido ao isolamento.

Segundo 43% dos respondentes, a falta de contato presencial com seus líderes diretos e colegas de equipe mais experientes é o principal motivo, seguido da dificuldade de aprender com esses mesmos profissionais à distância (31%).

Além disso, 53% creem que há um estigma negativo associado ao trabalho remoto.

Apesar de a maioria achar que o trabalho remoto pode prejudicar a sua progressão de carreira, 38% dos profissionais que pertencem à geração Z ainda preferem o modelo híbrido de trabalho, no qual uma parte do tempo é passada em casa e a outra em algum espaço físico da empresa, e 27% preferem trabalhar totalmente remoto.

Além disso, 72% dos jovens profissionais sentem que a pandemia prejudicou o aprendizado de habilidades comportamentais, conhecidas como soft skills. Dentre elas, eles julgam que as mais importantes para a volta ao escritório são:

Comunicação (62%)

Inteligência emocional (48%)

Aprendizado contínuo (30%)

Resolução de problemas (30%)

Adaptabilidade (28%)

Com relação à obrigatoriedade da vacinação, 87% dos jovens consideram importante que as empresas exijam a comprovação da vacina contra a Covid-19 na volta aos escritórios e 86% responderam que a continuidade das medidas de saúde e segurança contra o coronavírus nos escritórios são essenciais.

LEIA TAMBÉM:

Recusa a tomar vacina e a retornar ao trabalho presencial pode levar à demissão por justa causa

Empregador pode exigir que o funcionário tome a vacina contra a Covid-19?

Geração Z tem pressa na carreira e prioriza habilidades sociais, diz pesquisa

Geração Z é a menos otimista em relação ao trabalho, mostra pesquisa

A pesquisa

O levantamento é um recorte de uma pesquisa realizada com 1.000 respondentes na 1ª quinzena de agosto, que mostra que 90% dos brasileiros acreditam que é importante que as empresas exijam a vacinação contra a Covid-19.

A pesquisa também aponta que cerca de 84% dos respondentes acreditam que testes de Covid-19 são, de alguma forma, relevantes para a volta aos escritórios, e 85% dizem que perguntarão para seus gerentes, colegas e outras pessoas que interagem diariamente se eles tomaram a vacina.

O estudo identificou ainda que 43% dos entrevistados preferem o modelo híbrido de trabalho. Cerca de 27% apontam que estar na empresa presencialmente durante 100% de sua jornada seria a melhor opção e 30% dizem que gostariam de fazer home office em tempo integral.
Comunicar erro

Comentários