Justiça Federal aceita pedido do MPF e exonera secretário de Educação de Guarujá, investigado por desvio de dinheiro da Saúde

Por Redação em 24/10/2021 às 14:03:21

Ministério Público Federal apontou contradição na proibição de contato entre o secretário Marcelo Nicolau e o prefeito da cidade, Válter Suman. Os dois são investigados por desvio de dinheiro. Marcelo Nicolau, secretário de Educação de Guarujá, em entrevista em janeiro de 2021

Arquivo/TV Tribuna

A Justiça Federal aceitou o pedido do Ministério Público Federal (MPF) e determinou a exoneração do secretário de Educação de Guarujá, Marcelo Nicolau, para evitar contato com os demais investigados. Nicolau é investigado por ter recebido vantagens indevidas em contratos firmados pela prefeitura na área da Saúde.

A decisão é do Tribunal Regional Federal da 3ª Região e foi assinada na sexta-feira (22). Nela, o desembargador federal, relator da ação, Nino Toldo, aceita o pedido do MPF, que aponta contradição na proibição de contato entre os investigados, já que ambos atuavam na Prefeitura de Guarujá.

"Com efeito, a medida cautelar de proibição de contato entre os investigados não permite a manutenção de Marcelo Feliciano Nicolau no cargo de Secretário de Educação do município do Guarujá, haja vista tratar-se de cargo político e de confiança, cujo exercício pressupõe e implica contato direto e constante entre ele e o prefeito desse município, o investigado Válter Suman", argumentou o relator.

Prefeito de Guarujá, Válter Suman, foi preso durante operação da Polícia Federal nesta quarta-feira (15)

Matheus Tagé/Jornal A Tribuna

Operação Nácar

Nicolau e o prefeito da cidade, Válter Suman (PSDB), foram presos em flagrante pela Polícia Federal durante o cumprimento de mandados de busca e apreensão da Operação Nácar, que investiga um esquema de desvio de dinheiro na rede pública de saúde em meio ao enfrentamento da Covid-19, em 15 de setembro. Eles foram colocados em liberdade provisória no dia 18 do mesmo mês.

As ações aconteceram na casa do prefeito e, também, do secretário. Nos imóveis ligados a ambos, foram encontrados quase R$ 2 milhões em dinheiro. A reportagem teve acesso ao documento da Polícia Federal que detalha os itens apreendidos na residência do prefeito, totalizando mais de R$ 70 mil e dezenas de joias e outro, que aponta o encontro de mais de R$ 40 mil escondidos dentro de caixas de máscaras de proteção facial no gabinete da prefeitura.

Suman responde por suspeita de comandar uma organização criminosa que teria desviado mais de R$ 109 milhões da área da Saúde, enquanto Nicolau teria recebido vantagens indevidas nos contratos firmados entre a prefeitura e a Organização Social Pró-Vida, que era responsável pela administração da UPA da Rodoviária e 15 Unidades de Saúde de Família (Usafas).

Quase R$ 2 milhões foram apreendidos pela PF em imóveis ligados ao prefeito e secretário de Educação de Guarujá, SP

Reprodução/Polícia Federal

VÍDEOS: as notícias mais vistas do G1
Comunicar erro

Comentários