Para que serve, além de fazer dinheiro, vender mando de jogo?

Vasco X Corinthians, na Arena da Amazônia… Foto: Reprodução

Ao invés de São Januário,o Vasco recebe o Corinthians na Amazônia. Legal, segundo o regulamento, Mas imoral, segundo a Ética,

 

A diretoria do Vasco da Gama não revelou o montante. De todo modo, com certeza, foi pela garantia mínima de R$ 450.000 que a sua diretoria desistiu de São Januário, a sua casa, e optou por desafiar o Corinthians na Arena da Amazônia, Manaus, neste sábado, dia 4 de Maio. Foi esse o valor da sua melhor venda de mando, em 2018, prélio diante do Flamengo, transferido a Brasília, ao Estádio Mané Garrincha da capital. Resultado: o empate, 1 X 1.

Em 2018, no Mané Garrincha

Em 2018, no Mané Garrincha – Foto: Carlos Gregório Jr

No sentido de que o regulamento do “Brasileirão” assim autoriza, é legal trocar, por dinheiro, o direito de atuar em seus domínios. Legal, porém, nem sempre significa ético e moral. No passado, eram tantos os abusos, capazes até de interferir na normalidade da tabela de classificação, que a CBF proibiu as negociatas. Houve América/MG X Palmeiras em Londrina, Santos X Flamengo em Cuiabá, com o prejuízo ostensivo da torcida do dono do mando.

Fernando Novelletto

Uma boa novidade, ao menos, o VAR

A Arena da Amazônia

Fundação Vila Olímpica da Amazônia

Em tal cenário, caberá à Arena da Amazônia hospedar o Vasco e o Corinthians na expectativa de que uma parcela razoável dos seus 44.500 lugares e das suas 338 vagas de estacionamento recebam uma ocupação econômica. A Arena custou R$ 700 milhões e ainda não se pagou. Os responsáveis pela pugna, da Roni7 Consultoria, juravam, na tarde de sexta, que a compra de ingressos ultrapassava a marca dos 20.000. A preços de R$160 a entrada inteira, de R$ 80 ou um quilo de alimento não perecível a meia, talvez, quem sabe, uma arrecadação em torno do limite de R$ 2 milhões.

Retirem-se, digamos, apenas 30% para as cotas da CBF e da Federação local, as despesas de administração e alguns extras, e restarão R$ 1.400.000 a se dividirem entre Vasco da Gama, Corinthians e, claro, a Roni7. Detalhe: a Roni7 pertence a Roniéliton Pereira dos Santos, 42 de idade, ex-atacante que se destacou em clubes como o Fluminense e o Rubin Kazan da Rússia e que até atuou em cinco porfias pela seleção do Brasil de Vanderlei Luxemburgo, inclusive a vice-campeã na Copa das Confederações do México/1999. E outro detalhe: em 2018, quando vendeu seu mando ao mesmo Corinthians, no Mané Garrincha o Vasco foi atropelado sem piedade por 1 X 4. Fonte: R7

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: