TV NEWS

Pernambucano idealizador do 'Projeto Invasão

Por Redação em 16/12/2022 às 16:12:11
Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

O recifense José Ot√°vio de Queiroga Maciel J√ļnior, mais conhecido como Empres√°rio Queiroga, começou a vida de forma não muito diferente da maioria dos brasileiros. Filho de uma fam√≠lia sem muitos recursos, ele enfrentou, durante a inf√Ęncia e adolesc√™ncia, as mais diversas dificuldades, sobretudo, financeiras.

Hoje, aos 42 anos - após mais de duas décadas de trabalho √°rduo - tornou-se empres√°rio e investidor. Mas ao contr√°rio do que muitos possam pensar, o empreendedor continua a trabalhar duro, agora, "em prol da m√ļsica, dança, esporte e comunicação das favelas" da Região Metropolitana do Recife (RMR), onde ele tem promovido a multiplicação de sonhos através do Projeto Invasão.


José Ot√°vio de Queiroga Maciel J√ļnior - Foto: Divulgação

Durante a inf√Ęncia em Palmares, Zona da Mata Sul de Pernambuco, Quei acompanhou a luta da mãe feirante e do pai, coordenador de funcion√°rios de engenho, para sustentar a fam√≠lia. Ainda garoto, ele começou a ajudar a matriarca da fam√≠lia no comércio popular, mesmo indo contra ao pai, que fazia questão que ele e os irmãos apenas estudassem.

"Eu ia com a minha mãe para a feira - ela vendia calcinha, sutiã, essas coisas. Eu ficava chamando os clientes, inventando coisa, colocava calcinha na cabeça. No fim da feira eu tava em cima dos balaios dormindo, cansado", relembra aos risos.

De l√° para c√°, sempre com esp√≠rito de independ√™ncia e vontade de vencer, o agora empres√°rio passou por diferentes atividades. De colocar pessoas para vender frutas na feira, para que pudesse juntar dinheiro para brincar o Carnaval quando adolescente, a dar continuidade aos negócios do pai, j√° adulto.

Nesta √ļltima, aproveitou para aprender a comandar uma empresa, indo das funções mais prim√°rias às do mais alto escalão. "Eu cheguei l√° achando que ia ser uma tranquilidade, o filho do dono, né? Mas ele me botou pra fazer de tudo: carregava caixa, falava em carro de som. Primeiro, eu perguntava: "Mas só tem eu para fazer as coisas aqui, por que?", relembra. A resposta veio tr√™s anos mais tarde, quando o patriarca passou ao filho a liderança do negócio.

PROJETO INVASÃO

Em 2020, procurando alternativa à problem√°tica da pandemia do coronav√≠rus, que atrapalhou os rendimentos dos negócios, Queiroga mirou na arte e no entretenimento. O empres√°rio montou um elenco com mais de nove artistas de diferentes comunidades recifenses - entre eles Vilão da Norte, Matheus Perverso, o próprio MC Anjo e MC Louco, entre outros.

Foto: Divulgação

Além de produzir muito funk consciente, brega funk, e trap funk, o grupo vem desenvolvendo ações sociais nas favelas da capital e j√° chegou a apresentar-se no encerramento do projeto Libertas, vinculado à Organização das Nações Unidas (ONU). "Pra gente foi muito importante. Todos ganharam certificados e é muito forte o favelado estar l√° no quadro da ONU, é um orgulho, é mérito."

O custeio do projeto ainda vem apenas da renda própria do empres√°rio, que estima j√° ter investido cerca de R$ 1 milhão nos √ļltimos dois anos. Atualmente, a iniciativa atende diretamente 40 fam√≠lias. Além dos artistas, o time conta com motoristas, assessoria jur√≠dica e de comunicação, designers e equipe de foto e v√≠deo.

O objetivo maior é atuar em frentes como distribuição de renda justa, geração de emprego e dignidade para os moradores das comunidades. "O favelado só precisa de uma coisa na vida: esperança. Às vezes a pessoa vai l√° e tira a esperança dele. Com respeito, compreensão e colaboração, a gente consegue transformar dificuldade em oportunidade. A gente vai tocar nos corações certos pra fazer coisas grandiosas", diz.

Para isso, o empres√°rio, que também j√° foi morador de favela, quer que o trabalho cresça ainda mais para que os frutos sejam compartilhados de forma coletiva. "No meu ponto de vista é muito simples cuidar de uma comunidade, o que não h√° é interesse de pessoas que não t√™m esse objetivo. Mas essa realidade est√° mudando.

A gente t√° apostando nesse modelo de valores humanos. Eu falo de construção, colaboração, e multiplicação de sonhos". Com otimismo e muita positividade, o empres√°rio até brinca: "A Europa é muito bonita mas ainda não me arrancou da favela. Ooobaaa!" Via: Paula Brasileiro

Comunicar erro
SPJ JORNAL 2

Coment√°rios